Sinop: alvo da operação da Polícia Federal, Galvan diz que ordem judicial é ‘pura intimidação’

O produtor rural e presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja Brasil), Antônio Galvan afirmou, há pouco, que a ordem judicial de busca e apreensão, expedida pelo ministro Alexandre de Moraes do Supremo Tribunal Federal, cumprida em sua casa em Sinop, foi intimidação “pelo fato de estarmos conclamando à população brasileira a se manifestar no dia 7 de setembro, contra os abusos que alguns ministros estão cometendo sobre pessoas de bem do nosso país”.



Galvan acrescentou que a ação do STF dará ainda mais força para o movimento. “Represento, juntamente com outros produtores rurais do Brasil, o movimento Brasil Verde Amarelo, já usado para fazer outros manifestos, como o do próprio Funrural. Alias criado por esse motivo. Julgamento dessa corte, aonde, reverteu depois de duas decisões favoráveis, que o produtor rural brasileiro é devedor do Funrural”, declarou ao Só Notícias.


É apurado se Galvan estaria entre os articuladores para obter apoio visando financiar os atos em 7 de Setembro (custeio de viagens de algumas pessoas que iriam a Brasília para o manifesto) que teriam ataques a integrantes do STF.


Além de Sinop, a Polícia Federal cumpriu, esta manhã, mandados de busca e apreensão apurando o “eventual cometimento do crime de incitar a população, através das redes sociais, a praticar atos violentos e ameaçadores contra a Democracia, o Estado de Direito e suas Instituições, bem como contra os membros dos poderes”.


Conforme Só Notícias já detalhou, o deputado federal Otoni de Paula (PSC-RJ), aliado d