Preço da gasolina cai 14% e etanol recua 8%, diz levantamento

O preço médio do litro da gasolina registrou queda de 14,01% em relação a junho e foi comercializado a R$ 6,50 nos postos de abastecimento do País.


O etanol, por sua vez, fechou o período a R$ 5,50 e ficou 8,34% mais barato, se comparado ao mês anterior.

O levantamento faz parte do Índice de Preços Ticket Log (IPTL), referente ao fechamento de julho.



“Com a redução da alíquota do ICMS, anunciada no início de julho, o preço da gasolina já registrava baixas de 5,46%, em relação a junho, nos primeiros dias do mês, segundo o levantamento da Ticket Log. No fechamento da primeira quinzena, o recuo no valor do combustível chegou a 10,22%”, afirma Douglas Pina, Diretor-Geral de Mainstream da Divisão de Frota e Mobilidade da Edenred Brasil, em nota divulgada.


E completa: “a queda de 4,93% para o preço da gasolina no repasse às refinarias, anunciada no último dia 19, também contribuiu para a redução de 14,01% acumulada no mês”.

Destaques por Estados

Nos destaques por Estado, não houve aumento no preço dos combustíveis. Mesmo com redução de 10,40%, o litro mais caro para a gasolina continua sendo comercializado nos postos do Piauí, a R$ 7,23.


O Distrito Federal registrou a gasolina mais barata, vendida a R$ 5,95, e também a redução mais expressiva para o combustível, de 23%, se comparado a julho.


Etanol


São Paulo lidera o ranking do etanol mais barato do País, comercializado a R$ 4,21, com um recuo de 9,91%.


Porém, a redução mais significativa para esse combustível foi registrada nos postos de abastecimento do Rio de Janeiro (15,60%), que passou de R$ 6,16 para R$ 5,20. O etanol mais caro foi encontrado no Pará, a R$ 6,35.


Onde vale a pena abastecer com etanol?

“Como reflexo da redução no preço da gasolina, registrada pelo IPTL em todo o território nacional, o combustível se apresentou como economicamente viável para mais Estados brasileiros, no comparativo com o mês passado. O etanol é mais vantajoso apenas para quem abastece em São Paulo, Goiás e Mato Grosso”, explica Pina.