Neri rebate ruralistas de MT "não ando de avião com dinheiro de sindicato"

O deputado federal Neri Geller (PP), pré-candidato ao Senado, rebateu a nota de repúdio divulgada pelo Sindicato Rural de Sinop nesta quinta-feira (14.07), contra ele e o senador Carlos Fávaro (PSB). O progressista classificou o posicionamento como vergonhoso, criticou o uso político das entidades ligadas ao agronegócio para financiar manifestações partidárias e garantiu que tem serviço prestado pelo setor.



“Nós Redivo, junto com a Aprosoja, resstruturamos o porto de Miritituba aqui em cima. A BR-163 foi 950 quilômetro no governo passado, 50 foram feitos nesse governo. Então eu tenho muita tranquilidade de falar que o debate ideológico, esse mesmo debate que pega dinheiro dos associados da Aprosoja, por exemplo, pra ir fazer protesto em Brasília pra invadir o Supremo Tribunal Federal eu sou contra. Nós precisamos se envolver, se elejam e exerçam a democracia”, declarou Neri, em entrevista ao programa Estúdio Ao Vivo, na TV Cidade Verde.


Durante a entrevista, Neri afirmou ainda que respeita o presidente do Sindicato Rural de Sinop, Ilson Redivo, e o posicionamento dos produtores rurais e lembrou que atuou na regulamentação do Código Florestal, foi relator e trabalhou pela aprovação da lei dos defensivos agrícolas e pelo PL 001, quando foram aprovados R$ 870 milhões para equalizar R$ 25 bi para custeio e investimento.

“Essa nota de repúdio pra mim é uma vergonha. Não tenho nenhum medo, pode vir crítica. Absorvo as críticas com muita tranquilidade, corrijo tenho humildade de recuar, não tem problema nenhum. Agora vir com coisinha pesada para meu lado não vai funcionar. Com todo o respeito, reconheço no Redivo o bom trabalho que ele faz no sindicato. Me chamaram na Aprosoja semana passada pra me dar parabéns por ter aprovado a lei do defensivo agrícola. Você sabe Redivo quem fez isso. Então eu tenho moral pra falar e vou fazer o debate de alto nível”, rebateu Geller.


No final da tarde desta quinta o Sindicato Rural de Sinop emitiu nota de repúdio contra a decisão do senador e do deputado federal em compor com a Federação Brasil da Esperança (PT, PV e PCdoB), para garantir palanque em Mato Grosso, para pré-candidatura à Presidência da República do ex-presidente Lula (PT). No comunicado, assinado pelo presidente da entidade, Ilson Redivo, eles citam a relação da esquerda com o Movimento Sem Terra (MST).

A nota de repúdio divulgada pelo Sindicato de Sinop torna público o racha no agronegócio em Mato Grosso. Já que a entidade do nortão há tempos manifesta apoio ao presidente Jair Bolsonaro (PL), inclusive financiado atos e manifestações em apoio ao líder da direita.