Macron: França não importa mais a soja fruto de desmatamento da Amazônia

O presidente francês, Emmanuel Macron, disse que a França não vai mais importar soja que seja “fruto do desmatamento, sobretudo da Amazônia”. A declaração foi dada durante discurso no evento World Conservation Congress, em Marselha nesta 6ª feira (3.set.2021).



De acordo com o presidente, o país deve construir contratos comerciais com países que refletem os mesmos objetivos em relação ao meio ambiente. “Nós precisamos reinventar nossas políticas comerciais para serem coerentes com as políticas climáticas e de biodiversidade”, disse.


Em janeiro de 2021, Macron disse que “depender da soja brasileira” era o mesmo que “apoiar o desmatamento na Amazônia”.


Nesta 6ª feira (3.set), lembrou de uma lei, criada em 2020, que proíbe a compra de soja cultivada em áreas desmatadas e disse que a França está em “período de transição” para cumpri-la.


Para o presidente francês, desde 1960, há acordo entre os países da Europa e das Américas para o fornecimento do grão, mas, agora, o país tem um projeto de “soberania alimentar”, com o objetivo de produzir localmente a soja utilizada para alimentar o gado.


ONGs ambientais francesas, como o Greenpeace France e o WWF France, querem que o presidente adote medidas mais rígidas para combater o desmatamento da Amazônia.


Em carta aberta, publicada no jornal Le Monde no dia 30 de julho, os representantes das organizações pedem para que o governo francês proíba a importação de produtos brasileiros ligados ao desmatamento, além de bloquear o acordo comercial entre a UE (União Europeia) e o Mercosul.


Ao comentar sobre o discurso de Macron desta 6ª feira (3.set), o braço do Greenpeace na França disse que o presidente fala da importação de soja brasileira no passado, mas “navios com dezenas de milhares de toneladas” do grão continuam a chegar no país europeu.


“Emmanuel Macron fala sobre nossas importações de soja brasileira para pecuária no passado. Ele está ciente de que navios de carga carregados com dezenas de milhares de toneladas dessa soja continuam a desembarcar [na França]? Desde janeiro, já contamos cerca de 15″.

Acordo entre UE e Mercosul

Macron também declarou, nesta 6ª feira (3.set), que a França se opõe ao acordo entre a União Europeia e o Mercosul por causa das divergências em relação ao meio ambiente. O país europeu irá assumir a presidência do bloco em 2022.


“A França é contra o acordo com o Mercosul tal como é negociado hoje, e vamos continuar sendo, muito claramente. Não porque não nos sintamos confortáveis com nossos amigos do Mercosul, e sim porque esse acordo, tal qual foi concebido e desenhado, não pode ser compatível com nossa agenda climática e de biodiversidade”, disse.


Além da França, outros países membros da UE, como Holanda e Áustria, criticaram as políticas ambientais dos países integrantes do Mercosul, em especial o Brasil, e se posicionaram contra o acordo.


O pacto comercial entre os blocos foi firmado em junho de 2019, depois de 20 anos de negociações, mas não foi oficializado por atritos políticos entre os líderes europeus e o governo Bolsonaro.


No dia 16 de julho, os capítulos e detalhes do acordo foram publicados pelo Itamaraty e por Bruxelas, onde fica a sede do bloco europeu. Isso significa que o texto não pode mais ser reaberto para negociações.


Segundo o embaixador Pedro Miguel Costa e Silva, secretário de Negociações Bilaterais e Regionais nas Américas e principal negociador brasileiro, a assinatura do acordo não é esperada para este ano. Talvez em 2022.