Guedes diz que Auxílio Brasil e investimentos vão ajudar economia em 2022 difícil

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ministro Paulo Guedes (Economia) afirmou nesta quinta-feira (16) que 2022 será um ano difícil e com crescimento afetado pelo aumento dos juros, mas que o Auxílio Brasil e os investimentos vão ajudar a atividade.


"Sim, será um ano difícil, mas cuidado com as previsões. Se erraram três vezes, podem errar quatro. É só ficar um pouco mais moderado, um pouco mais tranquilo, despolitizar um pouquinho a interpretação dos dados econômicos", declarou em entrevista à imprensa após reunião do conselho do PPI (Programa de Parceria de Investimentos), na qual não permaneceu para a sessão de perguntas.




Segundo Guedes, os economistas sabem que o combate à inflação eleva os juros, gera desaceleração, desaquecimento e esvazia a recuperação cíclica. Para ele, a volta em V se completou e a pergunta a ser feita é o que será visto daqui em diante em termos de crescimento.


"O ano que vem será resultante de dois vetores. Por um lado, o combate à inflação; por outro lado, a taxa de investimentos aumentando sistematicamente, a ampliação dos nossos programas de investimento e também o Auxílio Brasil –que é um programa forte de transferência de renda para 17 milhões de famílias. Esse consumo vai estar aquecido e do outro lado o investimento também está se aquecendo", disse.


Guedes tem intensificado o discurso sobre os investimentos privados, que foram inclusive apresentados a potenciais interessados recentemente durante viagem do presidente Jair Bolsonaro ao Oriente Médio.


Ele afirmou que a taxa de investimento (considerando recursos públicos e privados) está no ponto mais alto desde 2013, em 19,4%. "Isso significa uma reativação dos investimentos como não há desde 2013. Todo ano está subindo mais um pouco. E não só estamos investindo muito mais, como em toda essa fronteira de saneamento, gás natural, petróleo, aeroportos, portos, ferrovias, rodovias, terminais pesqueiros, ativos ambientais", disse.


Para Guedes, o setor privado está reagindo e tem capacidade para investir mais do que o setor público. O ministro citou números compilados pela Secretaria Especial do PPI para dizer que, no período de 2019 até dezembro de 2021, serão contratados ao todo R$ 822,3 bilhões em investimentos.


A duração dos contratos e a execução desses investimentos, no entanto, pode durar décadas. Os 22 aeroportos leiloados em abril, por exemplo, têm prazo de concessão de 30 anos.


Martha Seillier, secretária especial do PPI, afirmou que não havia um valor separado de investimentos para 2022, mas disse que a maior parte deles estão concentrados nos primeiros anos –e mencionou exemplos na área de telecomunicações. "A maior parte dos investimentos que estamos falando se concentra nos primeiros cinco anos [de contrato]", disse.