Descontentes com Bolsonaro, “barões” do agro se aproximam de Lula

A frase “política é como nuvem. Você olha e ela está de um jeito. Olha de novo e ela já mudou”, de Magalhães Pinto, é exatamente o que ilustra a reaproximação do agronegócio brasileiro ao ex-presidente Lula.


No último dia 20, em reunião com o ex-presidente petista, empresários do agronegócio brasileiro, disseram estar descontentes com o presidente Bolsonaro, especialmente devido à má relação do governo com a China, principal cliente da carne brasileira.



Outros pontos de críticas são a alta do dólar, a instabilidade política em que vive o país, a baixa popularidade do presidente em nível internacional e a necessidade de mais crédito agrícola para a expansão do agro.


Em Mato Grosso, a inércia do Governo Federal em resolver situações urgentes na infraestrutura tem irritado o setor. Os agricultores cobram promessas de campanha como a duplicação da BR-163, a estadualização da BR-174, a retomada das ferrovias federais e o asfaltamento da BR-158, que há anos vem travando o desenvolvimento de toda a região do Araguaia.


Mas é bom lembrar, a “política é como nuvem”.