Brasil vai exportar carne bovina à Rússia em meio a embargo chinês

Em meio à suspensão da exportação de carne brasileira para a China, a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, anunciou que o governo russo irá abrir uma cota de 300 mil toneladas de carne com tarifa zero de importação por 6 meses, mercado que pode ser utilizado pelo Brasil.



Serão 200 mil toneladas de carne bovina e 100 mil toneladas de carne suína. A tarifa de importação hoje, até 530 mil toneladas, é de 15%.

Tereza Cristina reuniu-se em Moscou com o chefe do Serviço Federal de Vigilância Veterinária e Fitossanitária da Rússia, Sergey Dankvert, que garantiu a realização de uma visita de inspeção ao Brasil, ainda no primeiro trimestre de 2022, o que possibilitará a habilitação de novas plantas frigoríficas brasileiras para exportação.


A exportação de carne à China está suspensa desde setembro. O motivo foi a identificação de casos atípicos de EBB (Encefalopatia Espongiforme Bovina) — conhecida como o “mal da vaca louca”.


O embargo já apresenta reflexos no Brasil: em outubro o país registrou queda de 43% nas exportações de carne bovina na comparação com o mesmo período de 2020, de acordo com levantamento realizado pela Abrafrigo (Associação Brasileira de Frigoríficos).


Na última 4ª feira (18.nov), a ministra Tereza Cristina também anunciou o aumento de importações de fertilizantes da Rússia. Empresários e autoridades russos asseguraram que vão cumprir os contratos vigentes para fornecer os fertilizantes de potássio e fosfato, podendo ampliar em 10% as exportações a partir de 2022. O país corresponde a 20% das exportações ao Brasil.