Bolsonaro segue script de campanha, mas repete destemperos.

A equipe de campanha do presidente Jair Bolsonaro (PL) tem motivos para respirar aliviada e comemorar. O saldo do lançamento da chapa do chefe do Executivo com Braga Netto (PL) nesse domingo (24.jul.2022) foi considerado positivo, mesmo com os destemperos do postulante à reeleição. O chefe do Executivo seguiu o script traçado e calculado pelo entorno político e pelos publicitários da sigla: renovou promessas –como a de manter o Auxílio Brasil a R$ 600–, fez diversos acenos aos públicos feminino e jovem, mas, principalmente, não fez ataques às urnas eletrônicas.



O sinal amarelo foi aceso quando Bolsonaro direcionou críticas ao STF (Supremo Tribunal Federal) sem eufemismos e, principalmente, no momento em que o presidente convocou os apoiadores às ruas para o 7 de Setembro. Porém, considerando o histórico de declarações do presidente, a fala foi enquadrada na margem de erro prevista. Prevaleceu, então, o sentimento de “dos males, o menor” no QG. O comentário foi associado à “autenticidade” de Bolsonaro e “arquivado” no escaninho de palavras mal-colocadas.


Os pilares de campanha “liberdade, fé e verdade“ deram o tom da fala de 1h e 8 minutos do presidente. Ele mais uma vez recorreu a passagens bíblicas. Bolsonaro falou para convertidos, mas deu margem para atrair o eleitorado feminino religioso que não está com ele. O PL aposta que 80% das mulheres brasileiras se sensibiliza com o tema. O presidente, porém, terá de flexibilizar ainda mais o discurso para atrair e fidelizar esse grupo. O entorno do presidente também se sentiu aliviado por conseguir a cobiçada participação da primeira-dama, Michelle Bolsonaro. Ela discursou logo no início do evento e, por fim, encerrou a convenção puxando uma oração em prol do marido.


Com uma bandeira no ombro, a primeira-dama falou aos apoiadores em modelo de pregação e pediu um novo mandato para o marido como parte de um “propósito de libertação e cura” do Brasil. Não leu e, enquanto falava, recebia presentes de pessoas na plateia.



A fala superou as expectativas. Articulada, a imagem da primeira-dama é vista como estratégica para atrair o eleitorado feminino religioso. Por esse motivo, o núcleo duro de campanha insistia para que Michelle tivesse função de destaque no evento. A decisão da primeira-dama, no entanto, só foi conhecida de última hora. Dada a largada oficial para a corrida pela reeleição, o QG de campanha espera faturar com a imagem de Michelle ao mesmo tempo que trabalha para encontrar um equilíbrio na “autenticidade” de Bolsonaro.


Tudo considerado, Bolsonaro tem uma pegada ideológica e ainda tenta surfar no que restou do anti-petismo, mas sabe que o principal mesmo é a situação econômica dos eleitores. No horizonte, o governo tem ainda eventuais ganhos de popularidade com o pagamento de auxílios a partir de agosto, como voucher de caminhoneiros e o Auxílio Brasil turbinado. Esse combo de prós, na avaliação do entorno de Bolsonaro, servirá para reagir em curto espaço de tempo nas pesquisas e alcançar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) antes do 1º turno do pleito.