Bolsonaro diz a apoiadores que "a gente está ganhando" e ninguém está recuando

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro defendeu nesta sexta-feira, em conversa com apoiadores, a Declaração à Nação publicada na véspera, onde buscou um apaziguamento após ataques ao Judiciário, e disse que ninguém está recuando e "a gente está ganhando".



Criticado pelos bolsonaristas pelo que foi visto como um recuo de seus ataques e ameaças dois dias depois de ter reunido milhares de pessoas nas manifestações do 7 de Setembro, em São Paulo e Brasília, Bolsonaro conversou por mais de meia hora com dezenas de apoiadores na saída do Palácio da Alvorada.


"A bolsa subiu e o dólar foi lá para baixo. Cada um fala o que quiser. O cara não lê a nota e reclama. Leia a nota, é bem curtinha, são 10 pequenos itens. Entenda, a gente vai acertando. O acúmulo de lixo, de problemas, é 30, 40 anos. A gente está ganhando, a gente está ganhando", disse.


"Alguns querem que eu entre lá e degole todo mundo", acrescentou. "Ninguém está recuando. Não pode ir para o tudo ou nada. A gente vai arrumando o Brasil devagar."


A carta, divulgada na quinta-feira, foi escrita pelo ex-presidente Michel Temer depois que Bolsonaro apelou a ele para lidar com a crise provocada pelos atos do 7 de Setembro, que se avolumava com paralisações de caminhoneiros e conversas mais concretas sobre a possibilidade de impeachment do presidente.


O texto, em que, apesar de não pedir desculpas pelos ataques, Bolsonaro elogia o ministro do STF Alexandre de Moraes --seu principal alvo nas últimas semanas e na terça-feira-- e diz não ter tido intenção de atacar instituições, repercutiu bem no mercado financeiro.


No meio político, assim como no STF, gerou declarações de otimismo contido junto com cautela e ceticismo. E muita decepção entre os bolsonaristas radicais, que defendiam impeachment de ministros do STF e até intervenção militar.


Decepcionados por terem saído de casa e não verem suas expectativas atendidas, bolsonaristas foram às redes cobrar o presidente. Em sua conversa nessa sexta, Bolsonaro elogiou o movimento, mas pediu paciência.


"Foi excepcional o trabalho de vocês. O retrato está no mundo todo e aqui também em Brasília. Alguns querem imediatismo. Se você namorar e casar em uma semana vai dar errado teu casamento", afirmou.