Boi: mercado futuro recua após otimismo com China e no físico a oferta de animais desacelera

O mercado futuro do boi gordo trabalha com queda na sessão desta quarta-feira (27) após o otimismo exagerado com a retomada da China às compras por carne bovina. De acordo com o Consultor em Gerenciamento de Riscos da StoneX, Caio Toledo Godoy, dois fatores estão influenciando as quedas nos principais contratos na Bolsa Brasileira.



“No fechamento do indicador do Cepea desta terça-feira (26) tivemos uma queda de 2,32% e isso influenciou os preços do boi gordo no mercado futuro que precisaram se ajustar ao mercado físico ”, comentou.

O segundo ponto que está impactando os preços no mercado futuro é que os participantes do mercado interpretaram as informações da primeira carga liberada no porto de Shanghai, em que muitos pensaram que a China tinha retirado o embargo da carne bovina brasileira.


“Eu acredito que algumas mídias interpretaram as informações de maneira equivocada e isso acabou gerando um otimismo exacerbado, mas é importante ressaltar que a China liberou apenas um lote oriundo do Tocantins e que os lotes do Mato Grosso e Minas Gerais podem ser bloqueados”, informou.


No mercado físico, os preços da arroba bovina no estado de São Paulo seguem pressionados e as indústrias já têm como alvo R$ 255,00/@. “Os frigoríficos estão testando preços menores, mas não estão conseguindo fechar negócios em patamares menores e média está próxima de R$ 260,00/@.


Com relação à oferta de animais, houve uma redução da disponibilidade de animais terminados. “Alguns pecuaristas preferem continuar com a estratégia de reter o gado no cocho à espera de preços melhores com a retomada da China às compras. No entanto, é preciso tomar cuidados com essas estratégias já que os preços da arroba podem não retornar aos preços que estavam sendo praticados anteriormente”, ressaltou.