A pressão internacional por preservação que ameaça soja e carne do Brasil

A última conferência da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre o clima, a COP26, deu combustível para uma série de mudanças em regras comerciais que estão sendo discutidas por grandes países e podem ter impacto significativo no Brasil.



As propostas de mudanças buscam combater a compra de produtos associados ao desmatamento e têm sido debatidas por legisladores ou grupos de importadores na China, União Europeia e Estados Unidos.


Carne ainda mais cara e pecuária mais poluente: os efeitos da mudança climática


Na COP26, os dois países e o bloco assumiram o compromisso de zerar o desmatamento no planeta até 2030 e prometeram usar políticas comerciais para alcançar a meta.


O combate ao desmatamento é uma das principais estratégias globais para frear as mudanças climáticas, já que a destruição das florestas lança na atmosfera uma grande quantidade de gases causadores do efeito estufa.


As iniciativas em discussão podem atingir os dois principais pilares do agronegócio nacional: a soja e a carne bovina.


Isso porque os dois produtos, que hoje têm grande penetração no mercado global, são frequentemente associados ao desmatamento ocorrido no Brasil.


Analistas ouvidos pela BBC News Brasil concordam que há uma pressão inédita sobre os produtos, mas há divergências sobre a postura que a China adotará nesse cenário.


E a posição do país asiático é a que mais importa, pois a China respondeu por 73,2% das compras de soja em grãos e por 43,2% das compras de carne bovina do Brasil em 2020.


A soja e a carne bovina ocupam, respectivamente, o primeiro e o sexto lugar no ranking de exportações brasileiras.


Ofensiva da União Europeia

Para Raoni Rajão, professor do Departamento de Engenharia de Produção da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), as mudanças legislativas em discussão na União Europeia podem fechar as portas para pelo menos um quinto da soja brasileira que hoje é exportada para o bloco.


Segundo Rajão, esse é o volume da soja cultivada em propriedades que desmataram ilegalmente após 2008 - embora essa área desmatada não tenha sido usada pelos proprietários para produzir soja, e sim outros produtos como milho, sorgo ou carne.


O cálculo foi publicado em um artigo de Rajão na revista científica Science em 2020 e se baseou nos dados de 815 mil propriedades rurais com registro no Cadastro Ambiental Rural (CAR), um sistema oficial do governo.

Segundo Rajão, essa soja hoje entra no mercado europeu, mas seria barrada caso a União Europeia aprove as regras que estão em discussão e que determinam que o bloco só compre alimentos produzidos de forma legal.


"Se aquele imóvel está desmatando ilegalmente, toda a produção naquela área é ilegal", diz o pesquisador.


Mas o alcance das novas regras pode ser ainda maior e entrar em conflito com a legislação brasileira.


Hoje, o Código Florestal brasileiro exige que proprietários rurais conservem entre 20% e 80% de suas propriedades, percentual que varia conforme o bioma onde elas estão. As áreas restantes das propriedades podem ser desmatadas legalmente, desde que se obtenha uma licença.


Pelas novas regras em discussão na União Europeia, no entanto, qualquer produto oriundo de áreas desmatadas a partir de 2021 seria barrado, ainda que esse desmate seja considerado legal pelo país de origem.


A medida impactaria principalmente a soja produzida na região de Cerrado conhecida como Matopiba, que engloba partes do Maranhão, do Tocantins, do Piauí e da Bahia.


Essa é a principal região brasileira por onde a soja tem se expandido e ainda poderia se expandir nos próximos anos.


Já na Amazônia, um acordo entre as principais empresas compradoras de soja já impede a comercialização de grãos cultivados em áreas desmatadas após 2008, o que tem freado a expansão deste cultivo nas áreas recentemente derrubadas no bioma.

Protecionismo comercial?

As restrições europeias em discussão também se aplicariam a outros produtos, como carne bovina, café, cacau, madeira e óleo de palma.


Para que os itens consigam entrar no mercado europeu, os fornecedores teriam que comprovar que os produtos não têm qualquer relação com o desmatamento - trabalho que tende a elevar os custos.


A proposta gerou duras reações entre produtores de soja brasileiros. A Aprosoja, principal associação do setor, classificou a iniciativa de "protecionismo comercial disfarçado de preocupação ambiental".


Em nota, a associação afirmou que a iniciativa "trará impacto direto não somente para os brasileiros, mas também aos países que são abastecidos pelo Brasil, entre eles grandes mercados na Ásia, na África e, até mesmo, na própria Europa".



A União Europeia é a segunda maior importadora de soja em grãos brasileira, responsável por 8% das compras do produto nos últimos cinco anos. E é a maior compradora de farelo de soja nacional, com 52% das compras.


A nota da Aprosoja não detalha como outros países seriam impactados pela eventual aprovação da proposta europeia.


Para analistas, essa influência se daria porque os padrões europeus podem se tornar uma referência para outros países interessados em manter uma boa relação comercial com a UE.


E a China?

Mas a proposta europeia poderia incentivar uma nova atitude da China frente à soja brasileira?


Para Raoni Rajão, independentemente do que façam os europeus, o governo chinês já tem sinalizado a intenção de coibir importações associadas ao desmatamento - algo que pode, sim, impactar a soja brasileira.


"A China, durante muito tempo, foi considerada pelo agro brasileiro como aquele país que compra qualquer coisa sem preocupações ambientais, mas essa já era uma leitura errada faz algum tempo", afirma o pesquisador.


Ele cita como exemplo uma declaração feita em 20019 pelo diretor-executivo da Cofco, estatal chinesa que é uma das principais importadoras de alimentos do mundo e compra um grande volume de soja brasileira.


O executivo disse que a empresa buscaria ter "cadeias mais sustentáveis" - declaração que, segundo Rajão, está alinhada com a postura do governo central em Pequim.